ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Dez suspeitos, um deles em flagrante, foram presos durante uma operação da Polícia Civil deflagrada na manhã desta quarta-feira (21) e que tem como alvo uma quadrilha envolvida em homicídios - entre eles a de policiais - e com o tráfico de drogas e de armas.

Outros dez mandados de prisão foram cumpridos contra suspeitos já presos. Quatro são considerados foragidos e outros três devem ser presos até o fim da tarde, estima a polícia.
Segundo as investigações que se estendem por mais de dois anos, a organização sediada em Quedas do Iguaçu, no sudoeste do Paraná, é chefiada por um casal de irmãos já presos e que continuavam dando ordens de dentro da prisão, ele em Guarapuava e ela em Cascavel.

No total, foram expedidos 54 mandados judiciais, sendo 28 de busca e apreensão e 26 de prisão em Quedas do Iguaçu, Guarapuava, Três Barras do Paraná, Cascavel e Dois Vizinhos.

Em casas vistoriadas, os policiais apreenderam duas espingardas.
De acordo com a polícia, a quadrilha é responsável pela morte de um policial civil em Cascavel, em 1999, e de um policial militar assassinado em Guarapuava em 2018, além do então secretário de obras de Quedas do Iguaçu, Jair de Andrade, em 2017.

Naquele ano, cerca de 30 pessoas foram mortas na cidade, o que acabou chamando a atenção para a polícia, principalmente pela ligação entre os homicídios e o tráfico de drogas.

O delegado Alex Sandro Marcos afirmou que Andrade foi morto em represália por ter mandado assassinar um dos quatro irmãos que lideravam a quadrilha. Destes, apenas dois continuam vivos. A ordem foi dada pela suspeita de chefiar o grupo, que na época não estava presa.

A motivação, completou o delegado, foi o descumprimento de um acordo eleitoral envolvendo a quadrilha e o secretário, que havia pedido apoio político à família por conta da grande influência que ela exercia na cidade.


 

Fonte:
Postado por Adilson Nogueira - Data: 21/08/2019