ÚLTIMAS NOTÍCIAS

 O quadro informações técnicas (13) do  Giro Rural, que vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 6h30min da manhã, conversou com o engenheiro agrônomo e consultor da Macrorgânicos Consultoria em Orgânicos e Agroecologia Chistiano Boza, o qual trouxe algumas dicas para o cultivo do feijão orgânico.
 
Giro Rural: A cada dia que passa a busca por uma alimentação saudável cresce, e os alimentos orgânicos são um símbolo de uma alimentação e de uma vida saudável. No caso do feijão, quais as dicas que a Macrorgânicos pode dar aos produtores de nossa região?
 
Chistiano Boza:
Olha quando falamos do cultivo do feijão, muitos agricultores já ficam com um pé atrás por ser uma cultura de risco. De risco porque é uma das grandes culturas que mais tem pragas e doenças catalogadas. E de risco também por ser altamente dependente do clima, onde as secas, mas principalmente o excesso de chuvas interferem diretamente nos resultados produtivos. E quando se fala em feijão orgânico então, muitos até afirmam ser impossível cultivar devido a tudo isso. Mas hoje vou dar 3 dicas de como contornar os problemas de doenças e insetos sem ter que usar o veneno. Anotem aí!
Em se falando das principais doenças do feijão é recomendado há fungo entomopatogênico, ou seja, um fungo que ataca as doenças do feijão, o trichoderma.
 
Giro Rural: O trichoderma pode causar dano a saúde humana?
 
Chistiano Boza:
O fungo trichoderma é inofensivo pra saúde humana, pois é um produto biológico. Esse fundo é aplicado no sulco de plantio do feijão em áreas infestadas para controle das podridões radiculares, do mofo branco e da podridão cinzenta do caule. O trichoderma também é aplicado na pré floração, uma ou duas vezes a depender do aparecimento de doenças. Também é aplicado na pós floração, conforme o aparecimento das doenças. Os produtos comerciais a base de trichoderma são trichodermil, Quality, Ecotrich.
 
Giro Rural: O que os produtores tem em sua propriedade, que pode ser usado no tratamento das pragas e doenças comuns do feijão?
 
Chistiano Boza: 
Uma prática muito eficaz para repelência de pragas e doenças no feijão orgânico, e que certamente os produtores de leite tem a disposição é a urina de vaca. Assim como o esterco do gado traz ótimos resultados para o solo, a urina de vaca traz ótimos resultados para a repelência de pragas e doenças. Além de repelir os insetos pelo odor, ela também promove indução da resistência da planta, ou seja, ela promove, através do nitrogênio e hormônios contidos na urina, a ativação de mecanismos de resistência do feijoeiro a pragas e doenças. Então a urina de vaca faz uma adubação foliar nitrogenada e rica em micronutrientes, repele insetos pelo odor e ainda promove a resistência da planta. São muitos benefícios, e o melhor é que é de fácil acesso na nossa região, tem custo zero, não faz mal algum para a saúde humana e não deixa resíduo nenhum no alimento. 
 
Giro Rural: Como os agricultores podem fazer o preparo da urina de vaca para utilização de controle de pragas e doenças do feijão?
 
Chistiano Boza:
É muito fácil anotem aí. Geralmente se recomenda aplicações na dose de 1% de urina em água, ou seja, para bombas costais de 20L, 200ml de urina para 20L de água. Para pulverizadores de 200L se usa 1L. Recomenda-se aplicação ao final da tarde, pois se houver incidência solar muito alta, aliada a altas doses de urina, ou seja, doses acima de 5%, pode queimar o feijão, condenando toda a área plantada. Então cuidado, não é porque os produtos e técnicas da agricultura orgânica não causam danos a saúde, que elas não podem trazer problemas. Por isso, aplicar doses de 1%, ao final da tarde. Realizar 3 aplicações no ciclo do feijão, uma cerca de 30 dias da germinação, outra na pré floração, e a terceira na pós floração.
 E por fim, uma terceira dica é o uso do óleo de Neem. O óleo de Neem é um extrato de uma planta nativa da índia, mas que se adapta muito bem ao clima do sudeste, centro oeste e norte do Brasil. No Paraná e sul do Brasil seu desenvolvimento é lento. O Neem possui uma substancia química chamada de Azadiractina, que controla mais de 300 espécies de insetos. No feijão ele é eficiente contra a vaquinha e percevejos. Deve ser aplicado conforme a dose do produto recomendada na bula. Já existem muitos produtos a base de Neem no mercado e permitidos na agricultura orgânica, como o Azamax, Dalneem Azact Neem.
Uma regra geral é que os produtos biológicos devem ser sempre aplicados ao final da tarde, após as 16 horas, pois a ação dos raios ultravioletas traz prejuízos a eficiência dos produtos.

Serviço:

Quem tiver interesse em desenvolver a produção orgânica entre em contato com a Macrorganico Consultoria através do e mail:comercial@macrorganico.com.br ou do whatsapp (42) 99819-9906. Acessem também o site www.macrorganico.com.br e nos siga no instagram @macrorganico.

Postado por Jefferson Silva - Data: 13/03/2019

Veja também