ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Produtores rurais do Paraná têm sido alvo de tentativas recorrentes de golpes aplicados por estelionatários. A dinâmica é sempre a mesma. Um dos golpistas telefona a um agropecuarista, se passando por funcionário de um cartório de títulos e protesto. Em seguida, o suposto cartório diz que há uma dívida pendente do produtor e que, se não for paga imediatamente, ele seria “negativado” e, por conseguinte, deixaria de ter acesso a crédito e a financiamento.
Os golpistas fazem uma pressão psicológica, dizendo que a dívida precisa ser quitada naquele dia, antes do fechamento bancário e que sem o pagamento imediato o título será protestado.
As dívidas alegadas pelos estelionatários variam de R$ 2 mil a R$ 3 mil. Em geral, os falsos cartórios dizem aos produtores que os supostos débitos teriam sido contraídos com uma empresa de insumos agrícolas. Mesmo com os produtores garantindo que jamais compraram deste fornecedor, o golpista insistia pelo pagamento. Para isso, passavam os dados bancários para pagamento imediato e um telefone para contato.
Um dos municípios que, recentemente, teve produtores que receberam ligações dos golpistas foi Cascavel. Até agora, o sindicato rural atendeu a mais de 20 agropecuaristas da região, que pediam orientação, após terem sido procurados pelos supostos cartorários. Como muitos dos casos não são comunicados, a entidade estima que o número de ocorrências seja exponencialmente maior. As tentativas de golpe não se concentram em uma região específica, mas foram registradas em diversos pontos do Estado.

Orientação:
Caso o agropecuarista receba uma ligação deste tipo, a orientação do Departamento Jurídico da FAEP é não fazer o pagamento. “Os produtores devem procurar seus contadores, para se informar se, realmente, tem algum título a ser protestado. “Vale dizer que cartório de título não entra em contato por telefone, muito menos para tratar da possibilidade de o eventual devedor resolver seu débito. A função do cartório é protestar os títulos, não intermediar cobrança”, complementa Klauss Dias Kuhnen do Departamento Jurídico do Sistema FAEP/SENAR-PR

Fonte: FAEP

Postado por Jefferson Silva - Data: 06/05/2019

Veja também